“Confusão de gênero” cresce entre crianças e adolescentes na Inglaterra

Elas estão aprendendo a “questionar” o seu sexo biológico desde cedo, mas nem sempre sobra algo para colocar no lugar.

LifeSiteNews.comTradução:  Equipe Christo Nihil Praeponere

31 de Março de 2016

O número de crianças diagnosticadas com “disforia de gênero” pelo serviço de saúde da Inglaterra ( National Health Service) aumentou em 1000% ao longo dos últimos cinco anos, de acordo com o jornal The Sun, de Londres. Na clínica de Tavistock and Portman, ao norte da capital, onde todos os pacientes transgêneros com menos de 18 anos são tratados, “suas famílias estão sendo aconselhadas e, em alguns casos, os pacientes recebem tratamentos de bloqueio hormonal” como preparação para uma possível “mudança de sexo” após os 18.

Como sintoma da crise, o diário britânico menciona um episódio recente, acontecido em fevereiro, quando “um menino de cinco anos retornou para a escola, em Nottingham, como menina”.

De acordo com o psiquiatra canadense Dr. Joseph Berger, que falou com o LifeSiteNews.com, a solução que está sendo dada para esses casos é inadequada. “Elas deveriam estar fazendo psicoterapia. Essas crianças estão infelizes por uma variedade de razões. Elas deveriam ter tratada a sua infelicidade. Cortar pênis e seios não é tratamento para a infelicidade.”

Ainda de acordo com The Sun, o número de jovens diagnosticados com disforia de gênero subiu de 97, em 2010, para 1013, em 2015, com um custo de mais de 2 milhões e 500 mil libras esterlinas para os contribuintes. Apesar do aumento, Bernard Reed, integrante de uma associação de pesquisas de gênero, afirma que o serviço de saúde britânico “não está realmente preparado e treinado para atender essa crescente demanda por assistência médica”. Um médico admite que “o aumento deste ano é extraordinário” e que “agora tem se tornado muito difícil prever se os casos continuarão a subir”.

Outra notícia, desta vez do jornal The Telegraph, reporta um aumento de 400% nos casos entre crianças com menos de 11 anos: o número pulou de 19, em 2010, para 77, em 2015. A reportagem também traz à luz uma pesquisa feita com 32 jovens que receberam bloqueio hormonal do serviço de saúde, dos quais apenas 8 seguiram para a cirurgia de transgenitalização.

“Quando crianças expressam confusão desse tipo, nós precisamos afirmar a sua identidade dada por Deus e ajudá-las a entender o sexo com que nasceram”, diz Andrea Williams, líder do grupo Christian Concern. “Muitas crianças estão simplesmente seguindo o exemplo de outras, sem entender verdadeiramente as implicações disso. Se não fizermos nada para conter essa tendência, poderemos ver muitas crianças tomando decisões das quais elas irão se arrepender no futuro.”

O Dr. Joseph Berger explica que pessoas que acreditam mesmo que são do sexo oposto ao seu sexo biológico estão “totalmente loucas” e “precisam ser tratadas com medicamentos antipsicóticos”. Todavia, a maioria dos pacientes com disforia de gênero são simplesmente pessoas insatisfeitas, que pensam que mudar o seu gênero as fará mais felizes.

O psiquiatra conta que tratou recentemente de uma jovem “muito atraente”, que queria mudar o seu gênero porque, no final das contas, ela pensava que “homens tinham um nível social mais elevado”.

Por outro lado, homens podem querer tornar-se mulheres, diz o médico, “porque vêem as mulheres levando vidas mais passivas, ou porque elas usam roupas mais coloridas, ou porque elas chamam mais a atenção”. De qualquer modo, maior parte dos jovens com disforia de gênero, se não são encorajados, simplesmente perde o desconforto com a sua identidade em questão de poucos anos.

Embora a cirurgia de transgenitalização esteja “na moda” — e ganhe também as telas do cinema —, o ceticismo em relação a esse lobby vem crescendo. Grupos de pais preocupados e até mesmo de feministas estão resistindo à pressão do establishment: aqueles porque querem defender as crianças, estes porque enxergam no discurso transgênero uma forma distorcida de machismo. “Para ser uma mulher, você deve ser do sexo feminino e, para tanto, tem que ter cromossomos XX e a anatomia específica do sexo feminino”, diz um blog feminista crítico do que chama de “doutrina transgender”. Mulheres trans não passam de homens “que se identificam como o sexo oposto”.

As evidências respaldam os céticos. Em 2014, o Dr. Paul McHugh, médico psiquiatra aposentado da Universidade Johns Hopkins, explicou ao Wall Street Journal que o seu hospital parou com a terapia de mudança de sexo nos anos 70 porque ela não funcionava. Acompanhamentos a longo prazo com pacientes transgêneros mostravam que “as suas adaptações psicossociais subsequentes” não eram em nada melhores que as de quem não tinha feito a cirurgia.

McHugh cita os resultados chocantes de um estudo sueco de 2011, que, depois de acompanhar por 30 anos pacientes que optaram pela mudança de sexo, revelou haver entre eles uma taxa de suicídio quase 20 vezes maior que a do resto da população normal (ou cisgênero, como preferem os politicamente corretos).

A Suécia não oferece nenhuma explicação para a pesquisa, mas o Dr. McHugh não tem dúvidas de uma “mudança de sexo é biologicamente impossível”. “Pessoas que se submetem à cirurgia de transgenitalização não mudam de homem para mulher e vice-versa”, ele explica, só “se tornam homens feminizados ou mulheres masculinizadas”. Por fim, o médico norte-americano faz um alerta sério: “Dizer que isso é um problema de direitos civis e encorajar a intervenção médica é, na verdade, promover e colaborar com uma desordem mental.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *