O testemunho pessoal de Raniero Cantalamessa

Conheça um pouco mais a história de vida do Raniero Cantalamessa, pregador da

Casa Pontifícia desde 1980. Seu testemunho pessoal é marcado pela ação do Espírito Santo. Será muito bom você conhecer aquilo que ele mesmo diz de si mesmo e da ação do Espírito em sua vida.

Sinais de Pentecostes

No início, Adão era uma estátua de barro, porém Deus soprou sobre ele um espírito de vida e ele se tornou um ser vivo. Muito tempo depois, o Espírito de Deus veio sobre Maria e nela apareceu uma nova vida, a vida do novo Adão; a vida deu um grande salto de qualidade! Mais tarde, o Espírito de Deus veio ao sepulcro de Cristo e o reanimou e fez Jesus retornar à vida.

Mais uma vez, o Espírito veio sobre os apóstolos, em Pentecostes, e encontrou um punhado de homens temerosos, medrosos, inertes como Adão quando era uma estátua de barro e, com suas línguas de fogo, o Espírito fez aparecer a Igreja, corpo vivo de Cristo. Nós, que somos a Igreja, somos corpo vivo de Cristo pelo Espírito Santo.

A cada Eucaristia, o Espírito Santo desce sobre o altar e transforma o pão e o vinho em corpo e sangue vivo de Cristo. E um dia, no fim do mundo, o Espírito virá e dará vida aos nossos corpos mortais e nos fará ressurgir para a vida eterna.

De Saulo a Paulo

Agora vou lhes contar sobre a vida nova que o Espírito Santo me deu.

Até 1975, eu era um frade capuchinho que ensinava História das Origens Cristãs na Universidade de Milão, na Itália. Um dia, comecei a escutar pessoas que falavam de uma nova forma de rezar. Uma senhora, de quem eu era diretor espiritual, voltando de um retiro disse-me: “Encontrei pessoas que rezam de um modo estranho: levantam as mãos, batem palmas, são muito alegres e dizem que entre eles milagres acontecem”. Então eu lhe disse: “Nunca mais irás a essa casa de retiros”.

Esses dos quais aquela senhora falava eram carismáticos. Comecei a observá-los e via que algo daquilo que acontecia entre esses irmãos era exatamente aquilo que lemos nas primeiras comunidades cristãs.

Eu não podia negar que havia algo daqueles primórdios da Igreja, contudo havia fenômenos que me perturbavam, como falar em línguas, abraçar-se, profetizar…

Certo dia, fui quase forçado a um encontro carismático. Lá fui tomado de uma intensa e nova alegria, que não sabia explicar. Sentia-me sacudido. E, confessando as pessoas, percebia nelas um arrependimento novo, profundo. Eu podia ver e até tocar a graça de Deus. Mas continuava como um observador.

Em 1977, ganhei uma passagem para ir aos Estados Unidos, assistir à grande assembleia carismática ecumênica. Dentro de mim, dizia: “Isto vem de Deus, mas não me agrada”. E as 40 mil pessoas presentes ali cantavam: “Jericó deve cair”. Os meus colegas italianos me diziam: “Escuta bem, porque Jericó és tu”. Eles tinham razão, e Jericó caiu.

Depois do encontro fomos a uma comunidade carismática em New Jersey, onde aceitei receber a efusão do Espírito Santo, mas ainda com certa resistência. Um dos sinais do Pentecostes é Deus falar através dos humildes. Quando as pessoas rezavam por mim, todas as palavras proféticas pronunciadas falavam de evangelização, de Paulo que com Barnabé inicia suas viagens apostólicas, e um irmão proclamou: “Tu provarás de uma alegria nova em proclamar minha Palavra”.

Um detalhe importante é que enquanto se reza para que alguém receba a efusão do Espírito, se diz: “Escolhe Jesus como Senhor da tua vida” e, enquanto me diziam estas palavras, levantei os olhos e vi o crucifixo que estava sobre o altar da capela. Era como se Ele me esperasse para me dizer algo muito importante: “Atenção! Raniero, cuidado! Este é o Jesus que tu escolhes como teu Senhor, o Crucificado. Não é um Jesus fácil, sentimental”. Nesse momento, entendi que a RCC não é um fenômeno superficial, mas algo que nos leva diretamente ao coração do Evangelho, à cruz de Cristo.

Comecei a ler o breviário experimentando algo novo. Vocês sabem que um dos frutos mais evidentes do Espírito é abrir a nossa inteligência para entender as Escrituras. Outro sinal da transformação que o Espírito operara em mim era o novo desejo de rezar.

Três meses depois voltei à Itália e os meus irmãos diziam: “Que milagre! Mandamos à América Saulo e nos mandaram de volta Paulo”.

Pouco tempo depois, enquanto rezava com um grupo de oração em Milão, surpreendi-me fazendo a oração: “Senhor, não permita que eu morra como um professor universitário aposentado!” E o Senhor levou a sério minha oração.

Algumas semanas depois, rezando na cela de meu convento, tive a moção interior de visualizar Jesus que retornava do batismo no Jordão e começava a pregar o Reino de Deus, e ao passar por mim Ele dizia: “Se queres me ajudar a proclamar o Reino de Deus, deixa tudo e vem!”

Compreendi que Ele queria dizer: “Deixa tua cátedra na Universidade, tua direção de Departamento e te tornes um pregador itinerante da Palavra de Deus, no estilo de São Francisco de Assis”. E ao final daquela oração o Espírito havia colocado em meu coração um “sim”.

Fui ao meu superior geral dizer-lhe que me sentia chamado pelo Senhor. Ele me pediu para esperar um ano. Depois de um ano, ele disse: “Sim, é vontade de Deus, vá”. Assim, tornei-me pregador.

Foi o Espírito Santo e a experiência carismática que fizeram deste velho professor universitário um pregador do Evangelho.

A Casa Pontifícia

Três meses depois, recebi um telefonema de Roma, do meu superior geral que me dizia que o Santo Padre, João Paulo II, havia me escolhido como pregador da Casa Pontifícia. O Papa, com tudo o que tem para fazer, cada sexta-feira de manhã, durante a Quaresma e o Advento, deixa tudo e vem escutar a pregação de um frade capuchinho. Quantos de nós vão escutar pregações como o Papa? Ele não falta nunca. Certa vez, estando em viagem pela América Central, faltou a duas pregações; na sexta-feira seguinte, foi ao meu encontro e pediu desculpas por ter faltado a duas pregações.

Foi-me dada a oportunidade de fazer ressoar ali, no centro da Igreja, o que o Espírito Santo está fazendo na Igreja. O Senhor escolheu esse pobre frade capuchinho para fazer chegar ao coração da Igreja aquilo que vivemos aqui, esta força, esta esperança, esta certeza de que o Espírito Santo realizou um novo Pentecostes na Igreja.

Um dia, entendi que era hora de falar ao Papa, aos Cardeais, aos Bispos sobre a efusão no Espírito. Entre outras coisas, eu disse: “Alguns dizem que tendo recebido o Espírito Santo na Ordenação, no Batismo, não temos necessidade desta oração pedindo a efusão no Espírito, mas Jesus não poderia responder: “Eu também não estava cheio do Espírito desde o nascimento de Maria, e mesmo assim fui ao Jordão para ser batizado por um leigo que se chamava João Batista?”

No final da pregação, eu tinha um certo temor e veio ao meu encontro um Cardeal que me disse: “Hoje, nesta sala, ouvimos falar o Espírito Santo”.

O Santo Padre também sabe de minha experiência, pois lhe contei pessoalmente. Mesmo assim, já faz mais de 20 anos, e ele não me mandou embora. E aquilo que vocês encontram nos meus livros, quase tudo foi escutado antes pelo Papa.

Quero lhes contar um último detalhe que nos faz conhecer a grande paciência do Santo Padre e o seu imenso amor pela palavra de Deus. Uma vez por ano devo fazer a pregação, na Basílica de São Pedro, com o Papa que preside a celebração. É porém a única vez que não é ele quem prega. Lida a narração da Paixão, é o pregador da Casa Pontifícia quem deve subir ao altar do Papa e pregar. Na primeira vez, os degraus me pareciam mais altos que o monte Evereste. Falando na Basílica, dei-me conta de que deveria falar muito lentamente, porque há uma grande ressonância. Mas, falando lentamente, o tempo passava e ultrapassou em cerca de dez minutos o tempo previsto. Vocês sabem que imediatamente após essa pregação, toda sexta-feira da Paixão, o Papa vai ao Coliseu fazer a via-sacra, e o secretário, naturalmente, estava muito nervoso e olhava o relógio de vez em quando. No dia seguinte, disse às freiras que depois daquela função, o Papa o chamou e, com muita gentileza, disse: “Quando um homem de Deus fala, nunca devemos olhar o relógio”.

Coragem, e ao trabalho!

No dia em que meu superior me permitiu iniciar essa vida nova, no ofício das leituras havia um texto do profeta Ageu: “Coragem, Josué, sumo sacerdote, coragem Zorobabel, coragem todo o povo deste país, e ao trabalho. Coragem porque eu estou convosco, diz o Senhor” (Ag 2,4).

Lida essa passagem, fui à Praça de São Pedro e, olhando para a janela do Papa, comecei a gritar: “Coragem João Paulo II, mesmo se sabemos que és o homem mais corajoso do mundo; coragem Cardeais e Bispos, e ao trabalho, porque eu estou convosco, diz o Senhor”. Isso era fácil, pois não tinha ninguém lá, mas três meses depois eu me encontrava diante do Santo Padre e dos Cardeais e Bispos, e proclamei novamente aquela palavra de Ageu.

Hoje, anuncio estas palavras também a vocês: coragem, povo de Deus, e ao trabalho, à evangelização, à renovação da Igreja, porque eu estou convosco, diz o Senhor!

Frei Raniero Cantalamessa OFM Capuchinho

Referência:

CANTALAMESSA, Raniero. Ungidos pelo poder do Espírito. São Paulo: Loyola, 2002, p. 145-151.

Minha jornada rumo à masculinidade: um ex-transexual conta a sua história

Abusos e confusões na infância fizeram Walt Heyer pensar que era uma mulher presa no corpo de um homem. Sua vida cheia de vícios e uma escolha precipitada mostraram que ele estava errado.

LifeSiteNews.comTradução:  Equipe Christo Nihil Praeponere

24 de Setembro de 2015

Em meados de 1940, Walt Heyer era só um garotinho que crescia na Califórnia, interessado em cowboys, carros e guitarras, até que, um dia, sua avó começou a fantasiar que ele queria ser uma menina. Ela ingenuamente confeccionou para seu neto um vestido roxo de seda, o qual ele passaria a usar quando a visitasse.

Mal sabia Walt que aquele vestido seria o gatilho a desencadear 35 longos anos de “tormentos, desilusões, remorsos e mágoas”. A confusão com a sua identidade sexual o levaria ao alcoolismo, às drogas e até a uma tentativa de suicídio.

No auge de seus conflitos interiores, Walt recorreria a uma “cirurgia de redefinição de sexo” (uma vaginoplastia) para se parecer com uma mulher – operação da qual ele acabou se arrependendo profundamente. “Deus me fez homem, do jeito que eu era, e nenhum bisturi jamais poderia mudar isso”, declarou Walt, em uma entrevista ao LifeSiteNews.com.

Hoje, resgatado por sua fé em Jesus e plenamente conformado com a sua masculinidade, Walt vive para divulgar a sua história e conscientizar as pessoas atormentadas com conflitos sexuais, para que não cometam o mesmo erro que ele cometeu.

A vergonha de ser homem

Em um livro de 2006, Trading my Sorrows, Walt relembra que o vestido roxo foi apenas a primeira de muitas influências em sua vida que o fizeram envergonhar-se de ser homem. Houve a molestação sexual que ele sofreu nas mãos de seu tio, a qual fê-lo sentir vergonha de seus órgãos genitais. Da parte de seu pai, uma disciplina rígida – praticamente indistinguível de abusos físicos – fez com que Walt se sentisse incapaz de corresponder às expectativas paternas.

Walt recorda que nunca se achava bom o suficiente para seus pais. “O que eu buscava desesperadamente era a aprovação de meus pais naquilo que eu fazia de melhor, era achar meu próprio nicho, onde eu pudesse me expressar, desenvolver meus talentos e fazer algo de que eu gostasse”, ele explica, em seu livro.

O menino sem nenhuma auto-estima começou a desprezar a si mesmo e o seu corpo, passando a achar consolação em seu estranho hábito de vestir-se como menina – que ele tratou cuidadosamente de esconder dos pais. O cross-dressing tornou-se o seu lugar secreto, onde ele se sentia a salvo dos conflitos externos e das duras disciplinas aplicadas por seu pai e sua mãe.

Uma tirana dentro de si

Enquanto entrava na adolescência, Walt diz que a garota dentro de sua cabeça crescia mais poderosa e demandando mais de seu tempo. Ainda que ele gostasse de carros estilosos e saísse com belas garotas da escola, não importava o quanto ele lutasse, parecia-lhe impossível livrar-se daquela obsessão. Depois do ensino médio, Walt saiu da casa dos pais e começou a fantasiar-se na privacidade de sua própria casa. Até então, ele já tinha acumulado um número considerável de peças femininas, mas ainda se sentia profundamente envergonhado de seu hábito secreto.

Depois, Walt casou-se, ficou rico e passou a viver o “sonho americano” – pelo menos nas aparências, já que ele mantinha secretas as suas contínuas escapadelas ao mundo feminino.

Sua vida dividia-se em três diferentes personagens: a do homem de negócios bem-sucedido, mas alcoólatra; a do bom esposo e pai de família; e a do travesti transtornado. Dentro de si, porém, Walt experimentava angústia e desilusão. Tudo em sua vida começou a desmoronar.

Ele foi atrás do álcool como uma espécie de fuga, mas isso só aumentou ainda mais seu desejo de tornar-se uma mulher. Aquela tirana feminina dentro de si começou a tomar cada vez mais espaço e, para pôr fim ao seu tormento, o desesperado Walt tomaria uma decisão trágica e irreversível.

A cirurgia para mudar de sexo

Walt Heyer como “Laura Jensen”.
Walt depositou todas as suas esperanças na cirurgia de mudança de sexo. Seria ela a solução a afastar permanentemente a sua dor.

Primeiro, vieram os seios, implantados por cirurgia plástica. Depois, o procedimento de que Walt mais se arrepende: a transformação cirúrgica de seu órgão reprodutor masculino na aparência de um órgão reprodutor feminino.

Walt esperava que o procedimento aliviasse o seu “debilitante estresse psicológico” e fizesse cessar, de uma vez por todas, o conflito que tirava o seu sono desde os tempos da infância. Mas, para o seu desalento, a mudança de sua genitália e de sua aparência externa não teve o mesmo efeito em seu interior.

Depois da operação, a mente de Walt converteu-se em um campo de batalha de pensamentos e desejos conflitantes, que foram se agravando e aumentando a sua crise depressiva. Todo dia após a cirurgia, ficava mais claro que ele tinha cometido um “grande erro”. Seu vício no álcool e na cocaína, em uma tentativa patética de afastar a dor emocional, só fazia aumentar a sua miséria e solidão.

Agora, Walt sabia que o bisturi do cirurgião e a amputação de seus órgãos não tinham mudado a sua sexualidade. A cirurgia tinha sido uma “fraude completa”. Ele sentiu que não tinha escolha, a não ser viver a vida como uma mulher artificial, uma “impostora”.

A tentativa de suicídio

A essa altura, Walt tinha atingido o fundo do poço. A operação havia destruído a sua identidade, a sua família, o seu círculo social e a sua carreira. Desesperado, ele não via mais nada a fazer, senão abraçar a morte. Walt – agora, “Laura Jensen” – tentou saltar de uma cobertura, mas foi impedido por alguém que passava.

Desabrigado e sem dinheiro, aquele “transexual” terminaria vivendo nas ruas, não fosse a ajuda de um bom samaritano, que lhe deu lugar para dormir em sua garagem. Esse novo amigo encorajou Walt a participar dos Alcoólicos Anônimos. Ele aceitou o desafio e, naquele grupo motivacional, percebeu que precisava recorrer a um “poder superior”, caso quisesse sair da confusão em que tinha se metido. Estava cada vez mais clara para ele a sua identidade masculina. Ele não era “Laura”, mas tão somente um homem envolto numa “fantasia de mulher”.

“Eu estava bem consciente de que era agora a escória da humanidade, um marginal, com uma existência descartada e distorcida por minhas próprias escolhas. O álcool, as drogas e aquela cirurgia tornaram-me um inútil para os outros. Eu tinha falhado miseravelmente como o homem que Deus me tinha criado para ser.”

Saindo do vale das trevas

Através da ajuda de alguns amigos cristãos, Walt começou uma jornada rumo à cura e à descoberta de sua verdadeira identidade masculina. A primeira chave para vencer a batalha que ardia dentro dele era a sobriedade. Pouco a pouco, ele foi abandonando a bebida e se voltou à religião cristã como nova fonte de força.

Uma vez, durante um momento de oração com seu psicólogo cristão, Walt diz ter experimentado espiritualmente o Senhor, todo vestido de branco, que se aproximou dele com os braços estendidos, abraçou-o com força e disse: “Agora, você está seguro comigo, para sempre”. Nesse momento, ele descobriu que só encontraria a cura e a paz que tanto desejava em Jesus Cristo.

Em entrevista a LifeSiteNews.com, Walt conta que aqueles que lutam com sua identidade sexual e acham que a cirurgia de sexo é uma solução “precisam ir a um psicólogo ou psiquiatra, começar uma terapia e cavar bem fundo para investigar o que está causando o seu desejo, porque, nesse assunto, sempre há uma raiz psicológica ou algum caso psiquiátrico não resolvido e que precisa ser explorado”.

“É possível levar um ano explorando e tentando entender o que está acontecendo, até que a pessoa aceite o seu sexo e queira viver o projeto que Deus deu preparou para ela”, ele diz.

Agora, como um senhor, Walt acredita que, se pudesse voltar no tempo e dar alguns conselhos para si mesmo enquanto jovem, ele diria àquele rapaz imaturo que evitasse a cirurgia de mudança de sexo e procurasse descobrir a raiz oculta em sua vontade de operar-se.

Walt acredita que a sua história testemunha o poder da esperança, ensina que nunca se deve desistir de alguém, não importa quantas vezes ele ou ela caia ou quantas curvas e reviravoltas haja no caminho da recuperação. Acima de tudo – ele diz –, nunca se deve “subestimar o poder de cura da oração e do amor que está nas mãos do Senhor”.

Batismo salva atriz de Harry Potter na hora da morte

Depois de uma hemorragia cerebral, o médico pediu para a família se despedir dela, mas sua mãe quis batizá-la antes de desligarem os aparelhos

Os jornais ingleses divulgaram a incrível história de Lucy Hussey-Bergonzi, uma jovem atriz que participou das gravações de “Harry Potter e o Enigma do Príncipe”.

Os acontecimentos começaram em 2009, após as gravações. Ela sofreu um colapso que a obrigou a ser internada no Great Ormond Street Hospital de Londres.

Os médicos falaram de hemorragia cerebral, um prognóstico fatal, e mantiveram a menina viva por meio de aparelhos durante cinco dias. A causa foi uma malformação artério-venosa cerebral congênita (AVM).

Uma equipe de cirurgiões realizou duas operações, mas foram inúteis. Foi então que os médicos disseram aos pais de Lucy que ela não sobreviveria, e os incentivaram a criar coragem para reunir a família e dizer “adeus” à filha.

Denise, sua mãe, expressou então o desejo de batizá-la segundo o rito católico. Durante a cerimônia, depois de um momento de oração ao lado do leito no qual Lucy estava entubada e cercada de máquinas, o sacerdote derramou algumas gotas de água benta sobre a cabeça da menina.

Sua mãe conta: “Nesse momento, Lucy imediatamente ficou ofegante e levantou um braço. Em um primeiro momento, pensei que ela estava tendo um ataque epilético, mas 24 horas depois, tiraram os tubos e desconectaram as máquinas”.

As enfermeiras presentes falam de um milagre, segundo o Dailymail. Os médicos que também estavam lá não entendem até hoje o que ocorreu, como se deu esta incrível recuperação e sobretudo o misterioso jeito como as coisas aconteceram.

Hoje, Lucy estuda normalmente. Ela mesma comenta: “Os médicos disseram que foi um milagre. E nós também acreditamos nisso. Não há outra explicação”.

9 famosos que escaparam do aborto

Eles estiveram no alvo do aborto; mas porque escaparam e tiveram a oportunidade de nascer, puderam realizar os próprios talentosTodos temos o direito a nascer; não importa quantos erros alguém possa cometer, há sempre uma razão maior para essa pessoa existir. Sempre vale a pena deixar cada um realizar o próprio show nessa terra! Tendo isso em vista, é quase impossível acreditar que os famosos abaixo quase não nasceram. Se fosse o caso, o mundo não seria o mesmo sem eles!

Steve Jobs

Reprodução/YouTube
Reprodução/YouTube

Imagina a sua vida sem um Mac, I-Phone ou I-Pad? Se Joanne Schieble, com então 22 anos, tivesse desistido de levar a gestação a termo, a tecnologia não seria como conhecemos hoje.

Joanne, mãe biológica de Steve Jobs, engravidou do namorado sírio e decidiu colocar o bebê para adoção. Ela escolheu uma família financeiramente capaz de pagar pelos estudos universitários do bebê, porém quando os candidatos a pais descobriram que Joanne esperava um menino, recuaram porque queriam uma menina. Joanne, a ponto de dar a luz e sem tempo para procurar uma nova família, acabou concordando em entregar o filho para um casal humilde.

Jobs, em entrevista, declarou ser agradecido por não ter terminado em um aborto.

Justin Bieber

reprodução/YouTube
Reprodução/YouTube

Em seu livro “Nowhere But Up”, Pattie Mallette, mãe de Justin Bieber, conta que quando se viu grávida aos 17 anos, foi pressionada a realizar um aborto. Mas isso nunca foi uma opção: “eu sabia que não poderia fazer isso”, revelou em entrevista. “A única coisa que eu sabia é que eu deveria manter a gestação. Eu não sabia como faria isso, mas eu apenas sabia que não poderia abortar”, disse.

Aos 18 anos, Pattie deu à luz a Justin em Ontário (Canadá) e o criou com a ajuda de seus pais Bruce e Diane, avós do cantor.

Roberto Gómez Bolaños

Reprodução/YouTube
Reprodução/YouTube

Em um breve comercial no México, Roberto Gómez Bolaños (conhecido no Brasil por sua atuação como Chaves e Chapolin), revelou que quando sua mãe estava grávida sofreu um acidente em que quase morreu. Os médicos então recomendaram que ela abortasse. “Abortar, eu? Jamais!” respondeu a mãe. “Ela defendeu a vida, a minha vida. É graças a ela que eu estou aqui”, afirmou.

Susan Boyle

Wikipedia

Quando Bridget Boyle, aos 45 anos, engravidou, os médicos consideraram a gestação de risco e por isso a aconselharam a abortar. “Mas isso era impensável para minha mãe, uma católica devota. Eu só estou aqui porque ela teve fé”, contou a britânica.

Durante o parto, uma cesária de emergência, Susan sofreu falta de oxigênio e nasceu com pouco peso. Por isso, os médicos disseram a mãe: “Susan nunca será nada, não espere muito dela.” Em sua auto-biografia, Susan disse que os médicos não deveriam ter feito esse comentário. “O que eles não sabiam é que eu sou uma lutadora e tentei durante toda minha vida provar que eles estavam errados”.

Susan Boyle ganhou atenção internacional durante uma apresentação no programa “Britain’s Got Talent”. Seu primeiro álbum “I Dreamed a Dream” (2009) bateu recordes de vendas no Reino Unido e totalizou quase 14 milhões de cópias vendidas no mundo. Susan ganhou dois Grammys e é conhecida por apoiar causas caritativas.

Cristiano Ronaldo

Reprodução/YouTube
Reprodução/YouTube

Quando Maria Dolores descobriu que estava grávida pela quarta vez, procurou por um médico para realizar o aborto. Este, porém, respondeu que não havia nenhuma razão física para abortar e que esse bebê lhe traria muita alegria na vida. Sem a cumplicidade do médico, Dolores tentou outros métodos de aborto que não funcionaram. Por fim, disse que “se a vontade de Deus é que esta criança nasça, que assim seja!”

Durante o parto, o mesmo médico disse uma frase que ficou para sempre na memória de Dolores: “Com pés como estes, será um jogador de futebol!” Em outras consultas, o médico vendo a preocupação da mãe, a animava dizendo: “Alegra-te, mulher, este bebê vai te dar muita sorte na vida e muitas felicidades!”

Cristiano é hoje a camisa 7 do clube espanhol Real Madrid e é considerado o maior jogador de futebol português de todos os tempos.

Celine Dion

no abortion (7)ab
Reprodução/YouTube

A mãe da cantora canadense ficou devastada ao saber que esperava por Celine, sua 14˚ criança, e contou a um padre que pretendia fazer um aborto; o sacerdote, então, a convenceu a não fazer isso e a aceitar o bebê. “Devo a minha vida a este padre”, disse a cantora. “Quando minha mãe superou a decepção, ela não perdeu tempo com auto-piedade e me amou tão apaixonadamente quanto ao meu irmão mais novo”, declarou.

Andrea Bocelli

no abortion (5)
Reprodução/YouTube

Quando sua mãe estava grávida, foi hospitalizada com apendicite. Em função do tratamento, os médicos a aconselharam a abortar porque o bebê poderia nascer com deficiências. Mesmo assim, a jovem mãe se recusou e deu à luz a Andrea Bocelli, que nasceu com uma voz capaz de emocionar audiências em todo o mundo.

Thiago Silva

Reprodução/YouTube
Reprodução/YouTube

Dona Angela, mãe do jogador de futebol Thiago Silva, disse que pensou em abortar. “Eu cheguei a chorar no colo do meu pai dizendo que não queria fazer o aborto, mas que eu também não tinha condição de criar mais um filho. Só que ele não deixou que eu fizesse isso, que cometesse um pecado!”, contou a mãe.

De origem humilde, Thiago cresceu na favela de Santa Cruz, na Zona Oeste do Rio de Janeiro. Hoje, o caçula de dona Angela, é considerado um dos melhores (e mais caros) zagueiros no mundo.

Jack Nicholson

Reprodução/YouTube
Reprodução/YouTube

Aos 17 anos, June Frances Nicholson, apesar de pressionada pelos colegas a abortar, deu à luz a um bebê a quem chamou de Jack. June deixou o filho com os seus pais, John e Ethel, e o menino cresceu acreditando que os avós eram seus pais e que June era sua irmã. Somente após a morte da mãe, Nicholson descobriu a própria história. “Minha única emoção é gratidão, literalmente, pela minha vida. Se June e Ethel tivessem menos caráter, eu nunca teria chegado a viver. Essas mulheres me deram o presente da vida”, disse.

Como o olhar de Jesus converteu o intérprete de Barrabás em “A Paixão de Cristo”

Aleteia Brasil | Abr 07, 2017

O testemunho arrepiante do ator italiano Pietro Sarubbi: após anos de vazio existencial, ele encontrou a fé graças ao papel que não queria ter interpretado

Quando era adolescente, o ator italiano Pietro Sarubbifugiu de casa para se unir a um grupo de circo e, desde então, girou mundo tentando achar sentido existencial e preencher o vazio espiritual que o atormentava. Entre peças de teatro, gravação de comerciais televisivos e produções do cinema italiano independente, Pietro se destacou na comédia, mas nunca se livrou de uma sutil e persistente sensação de fracasso, já que o seu sonho era se tornar diretor.

Mesmo em 2001, quando conseguiu um papel secundário em “Capitão Corelli“, filme de Hollywood, o vazio não se dissipou. As coisas começariam a mudar, no entanto, alguns meses depois: Pietro recebeu um convite para trabalhar com Mel Gibson no que imaginou que seria um filme de ação. Nunca imaginaria que o filme se propunha a retratar a Paixão de Cristo.

Embora muito afastado da Igreja, Pietro desejou, naquele momento, interpretar o apóstolo Pedro – não porque tivesse particular apreço pelo Santo Padre, mas apenas porque o valor a ser pago por dia de trabalho era mais alto. Não foi pequena a decepção quando o diretor lhe disse que o queria no papel de Barrabás.

Foi o próprio Mel Gibson quem lhe explicou, porém, que Barrabás não era apenas um bandido. O rebelde zelote tinha ficado muitos anos preso, fora torturado e levado ao limite do humanamente suportável. Uma frase de Mel Gibson bateu fundo no coração de Pietro: Barrabás tinha ido se transformando num animal, um ser embrutecido e sem palavras que só se expressava com o olhar. Era por isso que o diretor o tinha escolhido: porque Pietro poderia encarnar tanto o animal selvagem quanto, no fundo do coração, manter no olhar o brilho de um homem bom.

Durante as gravações, Pietro Sarubbi e o zelote se fundiram num só. A cena avançava e Pietro encarnava os acontecimentos de tal forma que já nem atuava conscientemente. Quando as autoridades libertam Barrabás, escolhido pela multidão no lugar de Jesus, o bandido, entre incrédulo e exultante, fitava os poderosos e depois a turba com ironia. É quando desce as escadas e o seu olhar se cruza com o de Jesus.

Foi um grande impacto. Eu senti uma corrente elétrica entre nós. Eu via o próprio Jesus“, declarou Pietro Sarubbi a respeito da força da cena compartilhada com o colega Jim Caviezel, intérprete do Cristo ali condenado ao suplício horrível da morte na cruz.

E foi naquele instante que a paz tão desesperadamente procurada ao longo de tantos anos finalmente lhe inundou a alma.

“Quando olhou nos meus olhos, os olhos de Jesus não tinham ódio nem ressentimento. Só misericórdia e amor”.

Em 2011, Pietro Sarubbi relatou a sua impactante conversão no livro “Da Barabba a Gesù – Convertito da uno sguardo” (“De Barrabás a Jesus: convertido por um olhar“). O ator italiano conta, nessa obra, que a fé agora abrange todos os setores da sua vida.

As páginas do livro se encerram com uma interpretação pessoal daquele episódio que mudou para sempre a sua trajetória:

“Barrabás é o homem a quem Jesus salvou da cruz. É ele que representa toda a humanidade”.

Uma artista contra a corrente

Em meio a tantos divórcios de famosos em 2016, o exemplo de Celine Dion irradia a beleza do verdadeiro sentido do matrimônio.

O ano que se passou não se resumiu a crises no campo da política e da economia mundial. 2016 também experimentou o gosto amargo do divórcio, como anunciaram as manchetes dos grandes jornais. De repente, casais famosos terminaram suas relações e puseram um fim em suas promessas matrimoniais — tristes decisões que não deixam de provocar angústia na sociedade e também na Igreja, levando muitos até mesmo a questionar se valeria a pena a luta pela indissolubilidade do matrimônio.

“Não nos podemos deixar vencer pela mentalidade divorcista”, exortou São João Paulo II certa vez, em um discurso ao Tribunal da Rota Romana [1]. Apesar de parecer absurdo, é verdade que muitos católicos, mesmo crendo na indissolubilidade do matrimônio, desistem de defender publicamente a fé, por considerá-la apenas um ideal cristão, sem significado para o mundo moderno. Contra esse estado de tibieza, o Santo Padre pedia uma “confiança nos dons naturais e sobrenaturais de Deus ao homem” [2]. De fato, somente essa confiança pode impedir a proliferação da chaga do divórcio e de suas consequências nefandas para a sociedade.

É preciso também desmascarar certa propaganda midiática, cujo forte apelo sobre o público tende a desesperá-lo da graça na vida familiar. Não é verdade que o matrimônio indissolúvel seja apenas uma doutrina católica. Trata-se, antes, de uma norma jurídica natural que, quando vivida de maneira aberta ao verdadeiro amor e sacrifício pelo cônjuge e pelos filhos, se torna acessível a todos, mesmo para aqueles que ainda não vivem plenamente a fé cristã. É o que se pode observar, em alguns casos particulares, no próprio meio midiático.

No início de 2016, a cantora canadense Celine Dion emocionou seus fãs ao testemunhar sua dor pela perda do marido, o produtor René Angelil, morto em decorrência de um câncer na garganta.

Angelil teve de lutar contra a doença por dois longos períodos antes de vir a falecer, em 14 de janeiro do ano passado. Celine Dion estava no auge de seu sucesso — a cantora acabara de gravar My Heart Will Go On, tema do filme Titanic —, quando o marido foi diagnosticado com câncer pela primeira vez, em 1999. Preocupada com ele, a cantora decidiu interromper sua carreira para cuidar da família, retornando aos palcos somente em 2002.

Celine Dion sempre demonstrou uma devoção maior pela família do que pela carreira. O retorno à música teve uma condição: permanecer ao lado do marido e do filho, isto é, sem grandes turnês internacionais. A cantora, então, assinou um contrato para shows apenas em Las Vegas, nos Estados Unidos, onde se apresentou durante seis anos no seu próprio Coliseu, o Caesars Palace.

Depois de um tempo de recuperação, René Angelil foi novamente diagnosticado com câncer, em 2014. E outra vez Celine interrompeu os shows para se dedicar integralmente ao marido. Após a morte dele, a artista deu uma entrevista comovente à jornalista da TV CBS, Katie Couric, na qual disse que a maior conquista de sua vida não era a carreira, mas sua família. “Agora, talvez outra pessoa poderia fazê-la feliz de uma maneira diferente?”, perguntou-lhe a jornalista. “Ele foi o único homem que eu beijei na minha vida, que eu namorei, então, hoje, eu diria que não”, respondeu a cantora canadense.

De fato, Celine Dion não é uma santa nem uma exímia católica. Pode-se questionar muitas de suas atitudes. Mas seu belo testemunho de respeito e amor à família devem ser louvados, sobretudo agora em que se exalta tanto o oposto entre o meio artístico. E isso se torna ainda mais imperioso quando se descobre a origem desse zelo de Celine Dion: ela o aprendeu da mãe, que lhe deu a vida e o exemplo do amor incondicional.

Celine é a 14ª filha de Ademar Charles e Teresa Dion. A cantora revelou em 2002 que quase foi abortada. Quando sua mãe Teresa ficou aflita por saber que estava grávida, ela foi até um padre para aconselhar-se. “Ele lhe disse que ela não tinha direito de ir contra a natureza. Então, eu tenho que admitir que de um jeito, eu devo minha vida àquele padre”, contou Celine Dion, explicando que “uma vez que o aborto estava fora de questão, sua mãe a amou apaixonadamente”. E esse amor por crianças e pela família lhe foi transmitido. Em uma outra entrevista de 2012, a cantora afirmou que sua vida é ser mãe: “É o meu maior prêmio. Eu me arrisco com a música, mas não com minha família“.

Esse testemunho, sem dúvida, responde à pergunta inicial deste texto: sim, vale a pena lutar pela família indissolúvel, pois, como explicava São João Paulo II, “este bem encontra-se precisamente na base de toda a sociedade, como condição necessária da existência da família” [3]. Neste sentido, “a sua ausência tem consequências devastadoras, que se difundem no tecido social como uma chaga […] e influenciam negativamente as novas gerações, perante as quais é obscurecida a beleza do verdadeiro matrimônio” [4]. Provado está que o casamento não é somente um ideal cristão, mas uma verdade natural, acessível a todos os homens de boa-vontade, até que a morte os separe. Tenhamos a coragem de nós também testemunharmos isso.

Com informações de LifeSiteNews.com | Por Equipe Christo Nihil Praeponere

Referências

  1. São João Paulo II, Discurso aos prelados auditores, oficiais e advogados do Tribunal da Rota Romana na inauguração do Ano Judiciário (28 de janeiro de 2002), n. 5.
  2. Ibidem.
  3. Idem, n. 8.
  4. Ibidem.

Ele foi concebido em um estupro e hoje é um sacerdote feliz

Uma história incrível sobre como “Deus escreve certo por linhas tortas”

ALETEIA TEAM
1 DE OUTUBRO DE 2015

“Minha mãe se sente orgulhosa de ter defendido a vida.”

Quando repetiu estas palavras, o Pe. Antonio Vélez Alfar tinha lágrimas nos olhos. Porque estas palavras o faziam viajar no tempo – mais precisamente, à dramática história da sua mãe, que há alguns anos lhe contou que ele havia sido concebido em um estupro (tropeaedintorni.it, 10 de setembro).

Uma mulher de fé

O sacerdote colombiano, pároco na província de Chubut (Argentina), decidiu dar seu testemunho depois de uma sentença na Suprema Corte de Justiça argentina, que declarou o aborto não punível nestes casos.

alfar-antonio
“Minha mãe – disse o sacerdote – era uma mulher de grande fé, devota e praticante. Ela dizia que, apesar das circunstâncias terríveis, carregava em seu ventre o milagre de uma nova vida, uma vida que Deus lhe havia dado e que, pelas suas convicções, não poderia abortar. E que, se Deus havia permitido isso, tinha que haver um sentido” (caminocatolico.org).

Estuprada por colegas de trabalho

A mãe do Pe. Antonio foi estuprada aos 27 anos, por vários colegas de trabalho, que montaram uma armadilha durante uma festa, a drogaram e abusaram dela repetidamente. Na dor de não saber quem era o pai, a mulher foi obrigada pela sua família a casar-se com um viúvo, que, depois de casar-se, a maltratava continuamente.

Ao ser impossível separar-se naquele contexto, a mãe permaneceu com o marido e seu segundo filho, enquanto Antonio foi enviado à casa da avó.

A história da mãe

Continua assim a história do padre: “Um dia, como minha avó me pedia que chamasse meu pai de ‘vovô’, eu lhe perguntei como ele poderia ser meu pai e meu avô ao mesmo tempo. Isso provocou uma reunião com a minha mãe, que me contou o que havia acontecido. Ela me disse que muita gente queria que ela abortasse; outros sugeriam que ela me vendesse ou me desse em adoção. Havia inclusive gente interessada em mim. Para mim, saber disso foi muito duro. Eu tinha apenas 10 anos” (aciprensa.com).

Por que isso aconteceu comigo?

Um dia, Antonio quis desabafar com Deus. “Fui à igreja para protestar contra Deus: por que isso tinha que acontecer justamente comigo? E, enquanto eu gritava, um sacerdote se aproximou e me disse que eu estava fazendo a pergunta errada: ‘Não pergunte por quê, mas para quê’. Justamente com toda aquela situação, Deus estava me chamando para fazer grandes coisas”.

Você será um instrumento do Senhor

Esse sacerdote disse a Antonio que Deus escreve certo por linhas tortas, e que ele seria um instrumento do Senhor. Depois começou a ler a passagem de Jeremias, na qual Deus o chama, mas ele resiste, e o Senhor lhe diz: ‘Não te preocupes, eu farei tudo por ti’.

“Essa conversa me marcou profundamente, e esse sacerdote foi para mim como um pai.” Depois disso, Antonio se tornou catequista, e depois escolheu o caminho do seminário, para servir o Senhor como padre.

A Conversão de Voltaire

Publicado em 7 de agosto de 2014

voltaireO catedrático de filosofia Carlos Valverde escreve um surpreendente artigo em que documenta historicamente a conversão de um dos mais célebres inimigos da Igreja Católica.

UM 30 DE MAIO DO ANO 1778: A investigação de documentos antigos sempre mostra surpresas. A última me veio ao folhear o tomo XII de uma velha revista francesa, Correspondance Littérairer, Philosophique et Critique (1753-1793), monumento riquíssimo para conhecer o século do Iluminismo e o começo da Grande Revolução.

Todos sabemos quem foi Voltaire: o pior inimigo que teve o cristianismo naquele século XVIII, em que emitia críticas cruéis. Com os anos crescia seu ódio ao cristianismo e a Igreja. Era nele uma obsessão. Cada noite cria haver afastado a infâmia e cada manhã sentia a necessidade de voltar a declarar: o Evangelho só havia trazido desgraças sobre a Terra.

Manejou como ninguém a ironia e o sarcasmo em seus inúmeros escritos, chegando até o inominável e o degradante. Lhe chamaram de o anticristo. Foi o mestre de gerações inteiras incapazes de compreender os valores superiores do cristianismo, cujo desaparecimento prejudica e empobrece a humanidade.

Pois bem, no número de abril de 1778 da revista francesa acima citada (páginas 87-88) se encontra nada menos que a cópia da profissão de fé de M. Voltaire. Literalmente diz assim:

«Eu, o que escreve, declaro que havendo sofrido um vômito de sangue faz quatro dias, na idade de oitenta e quatro anos e não havendo podido ir a igreja, o pároco de São Suplício quis de bom grado me enviar a M. Gautier, sacerdote. Eu me confessei com ele, se Deus me perdoava, morro na santa religião católica em que nasci esperando a misericórdia divina que se dignará a perdoar todas minhas faltas, e que se tenho escandalizado a Igreja, peço perdão a Deus e a ela.

Assinado: Voltaire, 2 de março de 1778 na casa do marqués de Villete, na presença do senhor abade Mignot, meu sobrinho e do senhor marqués de Villevielle. Meu amigo».

Assinam também: o abade

Mignot, Villevielle. Acrescenta:

«Declaramos a presente cópia conforme a original, que foi entregue às mãos do senhor abade Gauthier e que ambos confirmamos e que ambos temos firmado, como firmamos o presente certificado. Paris, 27 de maio de 1778. Abate Mignot, Villevielle».

Que a relação pode estimar-se como autêntica o demonstram outros documentos que se encontram no número de junho da mesma revista – nada clerical, por certo-, pois estava editada por Grimm, Diderot e outros enciclopedistas.

Voltaire morreu em 30 de maio de 1778. A revista lhe exalta como “o maior, o mais ilustre e talvez o único monumento desta época gloriosa em que todos os talentos, todas as artes do espírito humano pareciam haver se elevado ao mais alto grau de sua perfeição”.

A família quis que seus restos repousassem na abadia de Scellieres. A 2 de junho, o bispo de Troyes, em uma breve nota, proíbe severamente ao prior da abadia que enterre no sagrado o corpo de Voltaire. A 3 o prior responde ao bispo que seu aviso chega tarde, porque – efetivamente – já tinha sido enterrado na abadia.

A carta do prior é longa e muito interessante pelos dados que contêm. Eis o que mais nos interessa agora: a família pede que ele seja enterrado na cripta da abadia até que possa ser trasladado ao castelo de Ferney. O abade Mignot apresenta ao prior o consentimento firmado pelo pároco de São Suplício e uma cópia – assinada também pelo pároco – “da profissão de fé católica, apostólica e romana que M. Voltaire tem feito nas mãos de seu sacerdote, aprovado na presença de duas testemunhas, das quais uma é M. Mignot, nosso abade, sobrinho do penitente e outro, o senhor marquês de Villevielle (…) Segundo estes documentos, que me pareceram e ainda me parecem autênticos – continua o prior – penso que faltaria com meu dever de pastor se lhe houvesse recusado os recursos espirituais. (…) Nem me passou pelo pensamento que o pároco de São Suplício houvesse podido negar a sepultura a um homem cuja profissão de fé havia legalizado (…). Creio que não se pode recusar a sepultura a qualquer homem que morra no seio da Igreja (…) Depois do meio-dia, o abade Mignot tem feito na igreja a apresentação solene do corpo de seu tio. Cantamos as vésperas dos defuntos; o corpo permaneceu a noite toda rodeado de círios. Pela manhã, todos os eclesiásticos dos arredores (…) tem dito uma missa na presença do corpo e eu celebrei uma missa solene às onze, antes da inumação (…) A família de M. Voltaire partiu esta manhã contente das honras rendidas a sua memória e das orações que temos elevado a Deus pelo descanso de sua alma. Eis aqui os fatos, monsenhor, na mais exata verdade”.

Assim me parece que passou deste mundo ao outro aquele homem que empregou seu temível e fecundo gênio em combater ferozmente a Igreja.

A Revolução trouxe em triunfo os restos de Voltaire ao panteão de Paris – antiga igreja de Santa Genoveva – , dedicada aos grandes homens. Na escura cripta, frente a de seu inimigo Rosseau, permanece até hoje a tumba de Voltaire com este epitáfio:

«Aos louros de Voltaire. A Assembleia Nacional decretou em 30 de maio de 1791 que havia merecido as honras dadas aos grandes homens”.

Autor: Carlos Valverde
Fonte: Site “Logos HP”

“Se vivermos a fé na vida diária, o próprio trabalho torna-se uma oportunidade para transmitir a alegria de sermos cristãos” (Papa Francisco)

“Se vivermos a fé na vida diária, o próprio trabalho torna-se uma oportunidade para transmitir a alegria de sermos cristãos” (Papa Francisco)

Ao ler esta frase do Papa Francisco fiquei a meditar o que o Senhor deseja nos falar com palavras tão fortes e sábias.

Primeiro ele nos chama a vivermos a Fé. Como Igreja acabamos de encerrar o ano da fé, onde o nosso querido Papa Bento XVI nos ensinou o que era fé e nos chamava a vivê-la, concretamente em nossa vidas. Nós meditamos em seus ensinamentos que a fé é um dom, sendo assim, é um presente dado por Deus, que precisamos pedir e acolher. Ter fé vai além de um devocionismo superficial, onde digo que tenho fé porque irei fazer um pedido ao Senhor e Ele me concederá. Não estou dizendo que não podemos pedir-Lhe, mas é colocar as nossas situações diante d’Ele, com a certeza que fará o melhor. A Fé é uma adesão a uma proposta. Desta forma, para que eu tenha fé, é necessário primeiro que conheça a Jesus Cristo, o qual, através dos seus  ensinamentos, da experiência pessoal com Ele, vou aderir a sua proposta para minha vida, pois para ter fé, para ser cristão devemos primeiro aderir a minha vida,configurá-la a minha vida com a de Jesus, e concretamente transbordar em todo o meu ser; desde minha forma de pensar, vestir, falar, acolher, perdoar, alegrar-se, chorar, silenciar, vivência da castidade, de olhar… é SER, deixar que Cristo viva em nós.

Somos chamados a vivermos na fé em Cristo, em nosso dia a dia, começando em nossas casas, com os nossos parentes, em nosso trabalho, nas ruas, em nosso lazer. Como falamos a pouco, devemos SER CRISTÃOS, alegres pela nossa adesão ao chamado de Cristo. A nossa alegria deve contagiar o mundo, que precisa descobrir no testemunho de nossas vidas, Cristo que vive em nós. Pregar A Palavra, não só com palavras, mas com o testemunho.

São Paulo nos diz que toda a natureza geme em dores de parto a espera da manifestação dos filhos de Deus. O homem de hoje sofre, geme, das mais diversas formas: seja no consumismo, no individualismo, na vivência da sua sexualidade de forma desordenada, nas drogas, no aborto, no narcisismo, no hedonismo, entre outras desordens, e isto acontece porque ele está a procura da sua verdadeira identidade, que só irá descobrir em Deus. E nós cristãos somos os portadores desta Boa Nova para o mundo de hoje.

Não tenhamos medo de aderir ao chamado de Deus, de SER CRISTÃOS, que alegremente e com liberdade gritam ao mundo, com suas vidas: vale a pena SER cristão, deixar tudo e seguir a Cristo, o Tudo.

Que Nossa Senhora, Mãe da Divina Misericórdia, interceda por nós, para que possamos SER cristãos, acolhendo a vontade do Pai.

Janet Alves
Membro da Comunidade Católica Reviver pela Misericórdia