5 motivos que fazem Satanás adorar pornografia

Tom Hoopes | Maio 23, 2017

Você pode inclusive dizer que ele é o fã número 1 do pornô

Todos os anos, em minha aula de Cristianismo e Meios de Comunicação no Colégio Beneditino, abordamos a pornografia – o rolo compressor da mídia de massa no século 21

E a cada ano o problema da pornografia piora. A mais recente: os dois serviços de streaming de vídeo online mais populares estão apresentando programas pornograficamente amigáveis – um documentário e um filme biográfico.

Leia também: Oração de libertação do vício da pornografia
Eu não assisti, nem vou assistir a nenhum deles. Mas o fato de eu ter falado com exorcistas recentemente me fez perceber algo sobre esse fenômeno: o maior fã de pornografia é Satanás.

Por quê?

Primeiro: Satanás adora pornografia porque ele odeia liberdade.

Quando renovamos a nossa promessa batismal, a Igreja pergunta: “Você rejeitar Satanás, de modo a viver na liberdade dos filhos de Deus?”

Praticar a pornografia é o mesmo que responder: “Eu não”. A pornografia milita contra a liberdade. A ciência disso é bem conhecida: o cérebro humano, quando estimulado por imagens eróticas, despeja substâncias químicas na corrente sanguínea que empurram o acelerador do espectador para a mais alta velocidade, no modo “me dê mais”. Uma paradinha movida pela curiosidade rapidamente se transforma em um vício obsessivo.

Brincar com pornografia é como abrir a janela de um avião pressurizado a uma altitude elevada. Ele te puxa para dentro e cospe para fora.

A mesma coisa acontece com as mulheres envolvidas na indústria da pornografia. Mulheres que procuram carreiras de modelagem ou uma breve injeção de dinheiro em tempos difíceis caem rapidamente nas garras de uma indústria degradante, com suas imagens circulando online para sempre, mesmo que elas se arrependam.

Segunda razão pela qual Satanás adora pornografia: a estrutura cabal do pecado

Quando mentimos, enganamos ou roubamos, nós cometemos pecados sozinhos. Quando nós envolvemos outras pessoas em nosso pecado, é pior. Mas o que dizer de um pecado que ajuda a criar, perpetuar e turbinar sindicatos internacionais do pecado?

A pornografia é a ferramenta que Satanás usa para arrastar grupos inteiros de pessoas – artistas, programadores, vendedores e transeuntes inocentes – para baixo do seu covil.

Terceiro: Satanás adora desfigurar a imagem de Deus.

A meta final de Satanás não somos nós; é Deus. Como ele não pode atingir o Senhor e nós somos feitos à imagem e semelhança de Deus, atingir-nos é a sua melhor opção.

Se entendêssemos como as nossas almas são imensas e como elas refletem lindamente a Santíssima Trindade, nós iríamos nos amedrontar com a nossa responsabilidade. Satanás entende isso e usa todas as oportunidades para quebrar essa imagem.

Quarto: o demônio adora fazer as pessoas se parecerem com animais.

No capítulo 12 do Apocalipse, há a visão de uma mulher – um ser de carne e sangue humanos – vestida com o sol e coroada de estrelas, que enfurece os anjos desobedientes.

Os demônios, criaturas feitas apenas de espírito, não conseguem suportar um ser superior a eles. Então eles adoram mostrar o quão nojentas são essas criaturas humanas.

Um exorcista me descreveu como as vítimas de possessões, muitas vezes, imitam animais – grunhindo ou arqueando suas costas. Os demônios não se apropriam de mais pessoas porque nós as salvamos. Nós escolhemos imitar animais por conta própria.

Quinto: o diabo adora destruir a inocência das crianças.

No capítulo 18 de Mateus, quando os apóstolos discutem quem é o maior, Jesus coloca uma criança no meio deles. Depois, alguns versos à frente, acrescenta que qualquer um que cometer pecado contra uma criança deveria atirar-se ao mar com uma pedra de moinho amarrada no pescoço.

Os demônios já escolheram a pedra.  Agora, eles querem pecar contra o maior número de crianças possível.

Eu acho que, junto com o aborto, a história vai nos condenar por nossa recusa em proteger as crianças da pornografia. Até mesmo um conhecido ator pornô está revoltado com a forma pela qual as crianças experimentam a pornografia.

A razão para o nosso fracasso aqui é óbvia: os adultos querem acesso fácil e anônimo para pornografia. Nós nos preocupamos mais sobre como proteger o acesso ao que fazemos do que em proteger os nossos filhos de acessarem por conta própria.

Os demônios são como insetos predatórios.

Eles se preocupam única e exclusivamente com uma coisa: furar sua alma e colocá-lo contra Deus. A pornografia é meio que ele usa para quebrar sua colmeia ali no seu desktop.

Algo inédito sobre amor e sexo

Um jeito incrível de mudar nosso coração e nossa mente sobre amor e sexo

O que você pensaria se a Igreja Católica lançasse um material inédito sobre o corpo humano tendo como objetivo mostrar o quanto uma relação sexual pode levar a uma felicidade plena e a um êxtase sem fim? O que você acharia se a Igreja Católica falasse: “As regras agora são: ame e faça o que quiseres”?. O que você concluiria se essa Igreja escrevesse: “O verdadeiro amor é para todo mundo, ninguém pode ficar sem ele”.

Alguns pensariam que a Igreja Católica estaria se “pervertendo”. “Desde quando ela se tornou uma editora de ‘pornografia’? E onde já se viu um material sobre o corpo humano e relações sexuais com direito a felicidade sem fim? É o fim dos tempos mesmo!” Outros achariam que a Igreja está surtando e falando abobrinhas, beirando um delírio. Imagine se as pessoas levam a sério isso: “amar e fazer o que quiser!”. O mundo viraria uma anarquia e uma nova Babilônia. Muitos, na certa, concluiriam que, de fato, a Igreja Católica está em fim de jogo com direito a prorrogação, tentando de tudo para conseguir adeptos. Pense: todo mundo é muita gente para ter um amor verdadeiro. Não dá! É propaganda enganosa. Por favor, chamem o PROCON!

Verdades mentirosas

Quero lhe dizer que já faz um tempo, um bom tempo, desde que Jesus se encarnou, que tudo isso já é verdade na Igreja Católica. Porém, foram nos confundindo sobre a verdade do homem e da mulher, sobre amor e sexo. Foram criando verdades mentirosas e separando o inseparável que, nessa Igreja, ficou com o papel de vilã da história. Separaram o amor do sexo e o sexo do amor, igualaram sexo a pecado e colocaram santidade contra desejos sexuais em uma arena de UFC. Posso lhe dizer que não só fizeram da Igreja Católica uma vilã como negaram ao homem o acesso e a vivência de um amor total e para sempre.

De uma maneira revolucionária, na década de 60 e 70, enquanto o mundo declarava Woodstock como lugar do amor livre, Karol Wojtyla tinha, na Igreja, o lugar onde se aprende a verdade sobre o amor e o quanto esse amor nos faz mais felizes e realizados. Depois, nos anos de 79 a 84, já como Papa João Paulo II, ele foi, a cada quarta-feira, gastando tempo para revelar ao homem o quanto amor e sexo, vividos de maneira verdadeira, conduzia-os a uma antecipação do que viveriam em plenitude no céu.

Manual de nossos desejos sexuais

Posso lhe dizer que esses anos foram testemunhas da confecção de um material inédito sobre o corpo humano, revelando-o (o corpo) como um lugar teológico, ou seja, como um lugar de encontro com Deus. A teologia do corpo (nome dado às catequeses de João Paulo II sobre o amor humano realizadas de 1979 a 1984 – total de 129 catequeses), de fato, é um manual de como nossos desejos sexuais são, na verdade, nobres e nos encaminham para o céu.

Os desejos sexuais foram colocados por Deus

Você deve estar se pensando: “Espera aí! Adriano, você está louco? Sempre lutei contra meus desejos, pensando que eram pecados e que eu tinha de reprimi-los; assim, deixaria Deus feliz! Mas, agora, você me diz que eles me encaminham para o céu?”. Acalme-se, meu amigo! Os desejos sexuais, ou seja, a atração de um homem por uma mulher e de uma mulher por um homem foram colocados pelo próprio Deus, isso porque, na verdade, os dois revelam a imagem de Deus, que é amor. Logo, nossos desejos mais profundos são de amor, por isso não dá para tirar o amor do sexo. Então, você me pergunta: “Agora, viveremos tudo o que desejamos? Como você disse, “amar e fazer o que quiser”?.

Vamos devagar! Quando a Igreja, pela boca de Santo Agostinho, fala: “Ame e faça o que quiseres”, na verdade, ela está nos chamando à essencialidade do amor. E olha que não só a definição do amor como também sua vivência andam bem desgastadas; como gasolina em posto “clandestino”, estão “adulteradas” na concepção mundana.

O amor verdadeiro é total, livre, fiel e fecundo

Na Teologia do Corpo, quando o Papa fala de amor, ele o define com características bem concretas como “totalidade, liberdade, fidelidade e fecundidade”, ou seja, o amor verdadeiro é total, livre, fiel e fecundo. Se amamos assim, podemos fazer o que quisermos, pois esse nosso querer baterá com o querer de Deus!
É preciso resgatar a riqueza que a Igreja Católica tem sobre a sexualidade humana, sobre o corpo, quem é o homem e a mulher. Nunca ela foi do contra, mas sim e sempre a favor de nossa plena felicidade.

Teologia do corpo é um material sobre o quanto podemos, merecemos e somos destinados a fazer do nosso corpo um caminho de verdadeiro prazer e condução para salvação de nossa alma. Dessa forma, em meio ao amor que requer sacrifícios, atingiremos o que nosso coração e o nosso corpo tanto anseia: o céu.

Neste e em outros artigos que escreverei, vamos, por meio de uma linguagem mais fácil, entrar na beleza da Teologia do Corpo. Vamos descobrir uma forma inédita de mudar nosso coração e nossa mente, vamos nos aventurar na riqueza de nossa sexualidade e afetividade vividas no plano de Deus, e, assim, teremos como resultado a liberdade e a plenitude do amor!

(Canção Nova)